sábado, 24 de março de 2018

URTIGA MANSA, Boehmeria caudata

Fazendo trabalho voluntário na aldeia Tekoa Ytu e Tekoa Itakupe, me deparei com essa planta bem comum da mata atlântica, suas folhas podem ser consumidas escaldadas e depois refogadas, em cremes, sopas, patê, bolo, etc... Seu sabor me lembra espinafre refogado.

Segundo Kinupp altamente nutritiva, rica em proteínas e alto teor de fósforo, ainda possui cálcio, zinco, cobre, ferro e boro. Ele diz que no centro-oeste é chamada de assa-peixe, pois suas folhas empanadas e fritas adquirem um sabor de peixe.

Para reconhecê-la repare em suas flores em cachinhos pendentes quase como uma espiguinhas... As suas folhas chegam a ser muito grandes, acho que as maiores que vi chegavam a uns 20 cm de comprimento, são meio ásperas...

Em sua composição química encontra-se óleo essencial nas flores, que em tintura pode substituir a arnica segundo Coimbra-Diniz da Silva (https://therapeutesmagazine.com/boehmeria-caudata/).


Receita de chapati sem gluten

1 xíc. (chá) de farinha de aveia
1 xíc. (chá) de quinoa em flocos
¼ de xíc. (chá) de linhaça moída, deixe de molho com água até cobrir por uns 20-30 minutos
½ xíc. (chá) de urtiga mansa fervida por uns 3-4 minutos, escorridas e batidas no liquidificador
sal a gosto
¼ xíc. (chá) de óleo de girassol
água até dar liga

Misturas os ingredientes secos com o óleo, a urtiga, a linhaça e amasse, acrescente a água aos poucos até formar uma massa bem firme, regue com um fio de óleo por cima da massa e deixe descansar por 10 minutos.

Pegue pequenas bolinhas como almôndegas e amasse com um rolo, deixe com uns 0,5 centímetro de altura e passe na frigideira até corar.

Urtiga-mansa, Boehmeria caudata na aldeia Tekoa Ytu, 2017

Urtiga-mansa na aldeia Tekoa Ytu no Jaraguá, 2017

Urtiga-mansa com suas "espiguinhas", flores pendentes, 2017

Chapati sem gluten de urtiga-mansa com geléia amarga de limão e caferana, Bunchosia armeniaca

Nenhum comentário:

Postar um comentário