segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

BERTALHA, espinafre de malabar, Basela alba

Planta nativa de parte da ásia (Índia e sudeste asiático). Suas folhas são bem carnudas com uma textura que lembra um pouco a folha de espinafre encontrados em feira. Embora no Rio de Janeiro seja uma hortaliça comum em feiras livres, segundo Valdely Kinupp.

Pode-se consumir suas folhas cruas em saladas ou usadas refogadas, em bolos salgados, omelete, etc. Seus frutinhos escuros podem ser usados como corante alimentício.

Planta riquíssima em zinco, que é um mineral importante para o sistema imunológico e atua também na defesa antioxidante (retarda envelhecimento celular) e no crescimento e desenvolvimento. É também rica em ferro, cálcio, vitamina A e C. Por ser rica em ferro seu consumo é indicado também para quem está com anemia.

Existe também uma variedade roxa, muito graciosa. E seus frutos tem um suco extremamente forte, um roxo muuuito mais intenso do que a variedade  de folhas verdes.

Se propaga facilmente por estaca e pelas sementes, ideal para se ter em vasos, mas é no chão que irá se alastrar muito facilmente.

bertalha, Basela alba, EBE - escola brasileira de ecogastronomia, 2019

bertalha roxa florida, EBE, 2018



bertalha roxa na Escola Brasileira de Ecogastronomia, 2018

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

EVENTO ADIADO

OFICINA SOBRE AS PANC - Mogi das Cruzes - 19/1, dom. das 9h30 as 13h30
no Vegê Restaurante Vegetariano




A Muirapaié Educação e Sustentabilidade convida vocês para uma oficina sobre Plantas alimentícias não convencionais (PANCs), em Mogi das Cruzes/SP nesse ano de 2020.

A ideia é fomentar o interesse das pessoas pelas plantas que nascem espontaneamente em todos os lugares e podem ser consumidas cruas ou cozidas, dependendo do caso.

As PANC são plantas altamente resistentes, resilientes, nutritivas, com teores de vitaminas, minerais, etc... nascem abundantemente em frestas de calçadas, jardins, praças, quintais, etc... É recurso disponível a todos que queiram se aventurar nessa nova cultura alimentar do séc. XXI...

Traga mais cura, saúde, beleza através das flores comestíveis, nutrição e conhecimento tradicional ancestral para sua mesa...

Mogi das Cruzes é um município localizado na região leste da Região Metropolitana de São Paulo (Grande São Paulo), no estado de São Paulo. A cidade está situada a 42 quilômetros da capital São Paulo-SP.


CONTEÚDO

Veremos algumas espécies de PANC mais comuns encontradas em hortas:

1. Beldroega miúda, porcelana – Portulaca oleracea
2. Beldroega graúda, maria-gorda – Talinum paniculatum
3. Trevo, azedinha – Oxalis latifolia
4. Tiririca, tiriricão e tiririca amarela – Cyperus rotundus e Cyperus esculentus
5. Serralha – Sonchus oleraceus

Faremos:
- Apresentação e dinâmica de identificação das PANC
- Passeio de reconhecimento das PANC nos arredores
- Preparo e degustação de bruschetta PANC e cumbuquinhas japonesas da Regina com molho de missô, melado, azeite e PANC variadas
- doação de mudas


Você tem o livro de PANC e não sabe como usá-lo? Daremos dicas de manuseio para melhor aproveitamento de seu livro.

*Recomendação: levar caderno e caneta para anotações, máquina fotográfica caso queira registrar as PANC.

*Sugestão: caso vc tenha plantas em casa que não saiba se é PANC, traga um galho ou exemplar para a oficina para fazermos a identificação


FACILITADORA
Regina Yassoe Fukuhara é artista plástica e permacultora, oferece OFICINAS DE PANC e é voluntária na horta da escola guarani na aldeia Tekoa Ytu no Jaraguá em S. Paulo e faz parte do movimento hortelões urbanos.


PRÉ-REQUISITOS
Não há.

Investimento: R$ 95

INSCRIÇÕES (pagamento e reservas)
* Para realizar a sua pré-inscrição preencha o formulário: https://forms.gle/Ns6rVGXZMriptxMu8


* Mínimo de participantes: 10
* Máximo de participantes: 20


EM CASO DE DÚVIDAS ENTRE EM CONTATO
Falar com: Regina Freitas
Telefone: (11) 99808-6911
Email: contato@muirapaie.com

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019



ALMEIRÃO ROXO, almeirão de árvore, Lactuca canadensis

Quando a gente entra para movimento das hortas urbanas, uma PANC muito comum de se encontrar é o almeirão roxo, eu acho que quando as folhas são mais jovens, elas são bem mais neutras e palatáveis, as folhas mais velhas e duras, já tem sabor mais amargo, por essa razão talvez essas sejam melhores refogadas. Suas folhas tem nervuras roxas, por isso leva esse nome, suponho kkkkk

No mês de outubro fui a Guarulhos dar uma OFICINA DE PANC na chácara Semente Sagrada, um pouco antes de chegarmos na chácara, deparamos no caminho de terra  com muuuitas PANC dos dois lados, minha amiga Angela que dirigia o carro resolveu parar para coletarmos mudas… E logo de cara dei com alguns exemplares de almeirão roxo da variedade toda verde, colhemos algumas mudas… Hoje tenho uma muda plantada em uma caixa grande de isopor, daquelas de salmão, que se pode até ganhar em peixarias, e tenho comido essas folhas em salada.

Também neste mês fui visitar o Jardim Botânico de S. Paulo e do outro lado da rua, logo avistei os almeirões roxos nascendo espontaneamente e já com sementes, estava com meu amigo Thiago e aproveitamos para coletar sementes. Também da mesma variedade verde. Como a natureza é tão generosa e abundante. kkkk Uma dica durante a coleta: veja se você não está pisando em um formigueiro kkkk Adivinha?

É planta nativa da América do Norte, mas se dá muito bem por aqui. Dá muitas flores amarelas, é da família das asteráceas, família da alface, chicória, dente-de-leão, etc.

Segundo Valdely Kinupp em seu livro Plantas Alimentícias não Convencionais, são plantas muito resistentes, logo ideal para se ter em seu quintal, jardim, vasos… Um dia curiosamente vi um da variedade com nervuras bem roxas em pleno Itaim bibi na calçada, e estava com folhas gigantes, nunca tinha visto um exemplar assim tão exuberante. E eu esperando dar sementes para colher, mas arrancaram antes de florir…

A planta contém inulina, que é um alimento funcional prebiótico, ajuda no controle glicêmico, melhora a  imunidade e pode ser benéfica para doenças intestinais.



Almeirão-roxo em flor, na Horta das Corujas
Almeirão-roxo já com os pompons-sementes, Pousada Soindara em S. Tomé das Letras

Almeirão-roxo na Arqueria na Ilhabela











domingo, 1 de dezembro de 2019

ÁGUA DE MATALI, bebida refrescante mexicana

Esta bebida tradicional de algumas partes do México é feita a partir da trapoeraba, que eu chamo de trapoeraba zebrina, também conhecida como lambari, Tradescantia zebrina.

Quando estive dando uma OFICINA DE PANC na Ilhabela, neste ano, sem saber,  encontrei no local, uma grande quantidade dessa trapoeraba sobre umas pedras ao lado de um rio... Eu até tinha levado as folhas aqui de S. Paulo kkkkk porque eu queria experimentar fazer pela primeira vez essa bebida com essa coloração rosada interessante.

Fazendo um chá, 1 litro de água para 1 xícara de chá de folhas da trapoeraba zebrina, dá uma coloração levemente arroxeada, depois de frio, quando em contato com o suco de limão, vemos a coloração mudar para um rosado, pois a acidez do limão altera o PH da bebida. Adoce e sirva gelado com pedras de gelo.

A própria planta não tem sabor algum, por isso o suco de limão dará o sabor de limonada rosada... enfim... você acabou de fazer a água de matali.

Depois de pronto resolvemos também fazer meio a meio com kombuchá para servir na hora da degustação.


A trapoeraba zebrina, costumo chamá-la assim, já li como trapoeraba-roxa, ela  é muito boa para ser usada em cobertura de solos, apenas com um pequeno galho, você tem a sua mudinha, ela é altamente resistente. Se você tem uma certa área de solo ressecado e sem vida, pode usar a trapoeraba zebrina para trazer mais proteção e umidade para a terra.


Já me relataram algumas vezes, que também se usa esta planta em saladas, mas como não tem sabor, eu não achei tão interessante para esse fim.




Trapoeraba zebrina, Tradescantia zebrina, 2019

Lambari, Ilhabela, 2019 - crédito da foto: Rosângela Segobia

Trapoeraba zebrina, 2019 - crédito da foto: Rosângela Segobia

Lambari ou trapoeraba zebrina, 2019, Ilhabela, crédito da foto: Rosãngela Segobia

Água de matali, a bebida mais rosada, e ao fundo misturado meio a meio com kombuchá puro

Água de Matali, a bebida rosada feita com suco de limão dá esse tom rosado

Água de matali, no copo mais escuro, foi adicionado à água de matali, meio a meio com kombuchá feito com hibisco

Gratidão à Rosângela Segobia por ter me enviado as fotos das trapoerabas na Ilhabela.

Pesquisa para fazer a receita e outras infos sobre a bebida:
https://come-se.blogspot.com/2017/03/agua-de-matali-ou-refresco-de.html

domingo, 17 de novembro de 2019



OFICINA de Culinária PANC - plantas alimentícias não convencionais c/Regina Fukuhara - ITS Instituto Território do Ser/butantã - 30/11

EVENTO CANCELADO!!!


Você já comeu brotos de chuchu, é a a coisa mais maravilhosa, sabor inigualável, delicioso... Abaixo fotos de um arroz com os brotos e só os brotos refogados, fica maravilhoso!!!






Vamos incluir mais as PANC em seu dia-a-dia?

brotos do chuchu
Faremos: apresentação e rápida explanação sobre algumas PANC a serem utilizadas - preparo de ANTEPASTO DE CORAÇÃO DE BANANA VERDE - FAROFA DE PALMA MIÚDA E BOTÕES DE LÍRIO AMARELO (HEMEROCALLIS) GRATINADAS - SALADA PANC & FLORES COMESTÍVEIS - FRUTAS CARAMELIZADAS INDIANAS À MODA DA REGINA: BANANA E MAÇÃ COM HORTELÃ PIMENTA PASSADAS EM AÇÚCAR MASCAVO e MASCAVO DE UVA JAPONESA (adaptação de receita indiana)

Doação de colônia de kombuchá (favor pedir no ato da inscrição)

Teremos APENAS 8 VAGAS - VAGAS LIMITADAS!!!

Investimento: R$ 125,00 - a efetivação da inscrição será feita mediante o envio do comprovante de depósito bancário para:

reginayassoe@gmail.com
brotos do chuchu refogados

infos: 3578-4759 (Regina) e ITS: 9 7249-2334 (Solange)

Dia 30/11 - sábado - das 14h as 18h
local: ITS Instituto Território do Ser
arroz com brots de chuchu
rua professor Campos Almeida, 180 - butantã (próx. à praça Elis Regina/corifeu



ingredientes dos pratos doces e salgados para a OFICINA DE CULINÁRIA PANC na É Hora da Horta


Facilitadora:
Regina Yassoe Fukuhara, é artista plástica e permacultora, oferece OFICINAS DE PANC e é voluntária na horta da escola guarani na aldeia Tekoa Ytu no Jaraguá em S. Paulo e faz parte do movimento hortelões urbanos

participantes da OFICINA DE  CULINÁRIA PANC na É Hora da Horta na casa verde, mão na massa na aula...

frutas falso-caramelizadas indianas à moda da Regina


quinta-feira, 10 de outubro de 2019

2ª OFICINA DE PANC na Chácara Semente Sagrada - 20/10- dom. das 14 as 17h









A Oficina de PANC visa proporcionar a identificação dos ditos "matos comestíveis e medicinais"
As PANC são plantas altamente resistentes, resilientes, nutritivas, com teores de vitaminas, minerais, etc... nascem abundantemente em frestas de calçadas, jardins, praças, quintais, etc...
É recurso disponível a todos que queiram se aventurar nessa nova cultura alimentar do séc. XXI...
Traga mais cura, saúde, beleza, nutrição e conhecimento tradicional ancestral para sua mesa...

Faremos:
- Apresentação e dinâmica de identificação das PANC
- Passeio de reconhecimento das PANC nos arredores do espaço
- Preparo e degustação de bruschetta PANC e prato rústico e sofisticado japonês PANC da Regina
- Você não sabe usar seu livro de PANC? Darei dicas e macetes de manuseio, como aprender mais através do livro
- doação de mudas de PANC

Recomendação: levar caderno e caneta para anotações, máquina fotográfica caso queira registrar as PANC.



Vc tem o livro de PANC e não sabe como usá-lo? Darei dicas de manuseio.

VAGAS LIMITADAS!!!

Investimento: R$ 85,00 - a efetivação da inscrição será feita mediante o envio do comprovante de depósito bancário para:

reginayassoe@gmail.com


data: 20/10 - Domingo das 14h às 17h.
Local: Chácara Semente Sagrada – Rua Saint Tropez, 124. Água Azul – Guarulhos/SP.
informações: 9 6277-3664 com Paula

Facilitadora:
Regina Yassoe Fukuhara, é artista plástica e permacultora, oferece OFICINAS DE PANC e é voluntária na horta da escola guarani na aldeia Tekoa Ytu no Jaraguá em S. Paulo e faz parte do movimento hortelões urbanos

sugestão: caso vc tenha plantas em casa que não saiba se é PANC, traga um galho ou exemplar para a oficina para fazermos a identificação

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

OFICINA DE PANC com Regina Fukuhara em Ilhabela (Cocaia) - sáb. 5/10 - das 14h as 17h30

oficina de PANC na parada inglesa, SP, foto: Tati Zaratin



A Oficina de PANC visa proporcionar a identificação dos chamados "matos comestíveis e medicinais"
As PANC são plantas altamente resistentes, resilientes, nutritivas, com teores de vitaminas, minerais, etc... nascem abundantemente em frestas de calçadas, jardins, praças, quintais, etc...
É recurso disponível a todos que queiram se aventurar nessa nova cultura alimentar do séc. XXI...
Traga mais cura, saúde, beleza, nutrição e conhecimento tradicional ancestral para sua mesa...

Faremos:
- Apresentação e dinâmica de identificação das PANC
- Passeio de reconhecimento das PANC nos arredores do espaço
- Preparo de bruschetta PANC e prato rústico e sofisticado japonês PANC da Regina
- vc tem o livro de PANC e não sabe usar? dou dicas de como melhor aproveitá-lo

Recomendação: levar caderno e caneta para anotações, máquina fotográfica caso queira registrar as PANC.

VAGAS LIMITADAS!!!

Investimento: R$ 85,00 - a efetivação da inscrição será feita mediante o envio do comprovante de depósito bancário para:

reginayassoe@gmail.com

Facilitadora:
Regina Yassoe Fukuhara, é artista plástica e permacultora, oferece OFICINAS DE PANC e é voluntária na horta da escola guarani na aldeia Tekoa Ytu no Jaraguá em S. Paulo e faz parte do movimento hortelões urbanos

local: bairro Cocaia - Ilhabela
infos: 12 9 9672-1220 com Rosângela

sugestão: caso vc tenha plantas em casa que não saiba se é PANC